Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH, No 5 (2015)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A memória como objeto de análise e como fonte de pesquisa em História da Educação: uma abordagem epistemológica

Elenice Silva Ferreira

Resumo


O presente texto busca discutir o valor que se atribui à memória como objeto de análise e como fonte de pesquisa, destacando a sua importância para a investigação no campo da história da educação. Ele é parte da uma pesquisa de mestrado, cujo estudo teve como foco as relações de poder em uma escola pública, durante o período de Ditadura Civil-militar no Brasil, tendo como fonte principal as memórias de oito professoras da rede pública de ensino e que trabalharam na escola no período de 1964 a 1985. Estas constituíam a principal fonte da pesquisa. Além desta, lançamos mão de documentos escritos que nos remeteram à estrutura e às ações da escola investigada. As memórias, às quais tivemos acesso, se revelaram com uma relação direta e afetiva com o passado e eram, antes de tudo, memórias individuais, lembranças pessoais de acontecimentos vividos, mas que se nutriam de uma memória coletiva. Daí concluirmos que o doutrinamento ideológico sofrido pelos atores da pesquisa, cujas lembranças permaneceram durante muito tempo confinadas ao silêncio, longe de levar ao esquecimento, permaneceram vivas em suas memórias. Portanto, na escola pesquisada as relações de poder foram semelhantes aos tipos de relações produzidas na sociedade. Concluímos esta pesquisa acreditando ser ela um caminho que pode levar à valorização e a preservação da memória educacional local e de seus sujeitos. 


Texto Completo: PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH © 2012 Todos os direitos reservados.