Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH, No 7 (2016)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Jovens utópicos: A apropriação da cultura e do passado nórdico no Romantismo alemão e no folk metal escandinavo

Gleyzer Omar A. Ferreira

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar a maneira como o Romantismo e o movimento musical folk metal se apropriaram de seu passado medieval ou o que eles consideravam ser seu passado nativo, utilizando esse passado como uma espécie de refúgio em contraposição aos processos de modernidade e globalização que vinham ocorrendo nos dois momentos. Observamos que a forma como essas sociedades idealizam o seu passado nativo/medieval tinha como propósito dar uma identidade a seu povo, pois, como a Alemanha ainda não era um Estado Nacional, ou ainda não possuía o seu território unificado, as elites locais precisavam de algo que as unisse culturalmente e fizesse com que a população compartilhasse o mesmo sentimento nacionalista. Já no movimento musical folk metal, os jovens estavam insatisfeitos com a predominância de elementos culturais de outras nações em seus respectivos países. Na mente desses jovens, o processo de globalização fazia com que elementos de sua cultura ficassem marginalizados ou esquecidos. O refúgio para essa situação foi, em especial para os jovens, o folk metal. Por fim, pretendemos perceber as similaridades entre esses dois movimentos sócio-culturais na tentativa de construir uma identidade que os diferencie de outros povos.

Texto Completo: PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH © 2012 Todos os direitos reservados.