Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH, No 9 (2017)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Joaquim Manuel de Macedo e o Romance de Tese Como Fonte Histórica

Cristiany Miranda Rocha

Resumo


No presente artigo, discutimos alguns aspectos do chamado “romance de tese”, no que se refere à possibilidade de sua utilização como fonte primária para o estudo da história.   Tomando como exemplo, a obra de Joaquim Manoel de Macedo, As vítimas-algozes: quadros da escravidão, publicado em 1869, procuramos identificar algumas das principais especificidades deste tipo de literatura, bem como alguns cuidados a serem tomados pelos historiadores no momento de sua leitura, como um documento histórico.  O caminho adotado, para alcançar tais objetivos, foi uma combinação do debate teórico sobre o romance de tese, a partir de autores como Silviano Santiago e Dominick Lacapra, com a historiografia  sobre a temática da escravidão no século XIX e uma breve análise de algumas cenas e personagens da obra de Macedo.  Nossa hipótese central é a de que o romance de tese pode (e deve) ser lido como uma fonte histórica, desde que se adote alguns cuidados importantes, como identificar as intencionalidades do autor e buscar uma leitura a “contra pelo”, ou seja, dos elementos não-intencionais, que escapam à tese defendida pelo literato.

Texto Completo: PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH © 2012 Todos os direitos reservados.