Revista Mangaio Acadêmico, Vol. 2, No 1 (2017)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A Inveja sob a óptica de Aristóteles na Retórica

Hélcia Macedo de Carvalho Diniz e Silva, Irley Franco

Resumo


O presente estudo tem por escopo tecer considerações a respeito de uma das paixões que acomete todo ser humano, a inveja. Esta, especificamente, trabalhada na Retórica por Aristóteles (384-322 a.C.), filósofo nascido em Estagira. Segundo o qual, conhecer a retórica é necessário para a elaboração de argumentos expositivos na arte de falar em público, haja vista que a fala naturalmente não é formada por silogismos bem construídos, geralmente eles aparecem truncados. Utilizou-se, sobretudo, como documentação textual, a tradução portuguesa da referida obra. Ressalte-se que esta é uma discussão com vasta literatura, devido às limitações de tempo e pela profundidade do tema, essa abordagem pauta-se na óptica aristotélica da inveja. De acordo com o estagirita, cabe ao orador conhecer os sentimentos que movem o ser humano, de maneira a ser capaz de provocar tais disposições no auditório com a sua oratória. Inegável é o fato que, em meados do Século IV a.C.,
Aristóteles dedica-se à escrita da Retórica, considerada de grande valor até os dias atuais.

Texto Completo: PDF

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.