Revista Educação e Cultura Contemporânea, Vol. 5, No 9 (2008)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Ontologia, racionalidade e a prática de valores

Ralph Ings Bannell

Resumo


É possível defender a ética sem a ontologia? Defendo que não, mas não defendo uma ontologia metafísica, nem reducionista ou eliminacionista. Na base da dependência social de valores defendida por Joseph Raz, ou seja, que valores existem na medida em que são sustentados por práticas sociais, critico elementos dessa teoria, especificamente a idéia de que a validade de valores é independente de sua dependência social. No entanto, não proponho um relativismo de valores, argumentando que é possível manter o pluralismo de valores enquanto, também, mantendo a possibilidade de validá-los racionalmente, mas numa maneira diferente da de Raz. Faço isso a partir de uma reconstrução da análise de Habermas sobre a conexão entre a existência de valores e sua validade, conexão essa estabelecida pela dependência mútua entre a linguagem e o mundo social. Assim, a dependência social de valores é segurada pelas práticas lingüísticas de comunicação, bem como sua validade (ou não). No entanto, contrário a Habermas, não vejo por que valores, analisados assim, não podem constar como parte de uma ontologia social, especificamente a força constrangedora dessa ontologia com relação às práticas de indivíduos. Termino com algumas reflexões sobre essa análise e a prática educativa.

Texto Completo: PDF

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


Revista Educação e Cultura Contemporânea 2004-2019 | Universidade Estácio de Sá
ISSN online: 2238-1279

A REEDUC encontra-se indexada nas seguintes plataformas:
DOAJ PKP Google Acadêmico Periódicos CAPES
Educ@ Latindex BEE Clase UAM Livre Livre