HÓRUS, Vol. 7, No 3 (2012)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A INFLUÊNCIA DA EQUOTERAPIA NO EQUILÍBRIO DE PACIENTE COM PARALISIA CEREBRAL

Rafaéle Gomes Corrêa, Érika Tonon, Theda Manetta da Cunha Suter

Resumo


A paralisia cerebral é classificada em três tipos: espástica, atáxica e atetóide. A forma discinética de Paralisia Cerebral, conhecida como atetóide, é caracterizada por movimentos e posturas anormais conseqüentes à deficiência na coordenação dos movimentos e/ou regulação do tônus muscular. Equoterapia é um método terapêutico o qual utiliza o cavalo como instrumento de tratamento voltado a melhora da postura, movimentos finos, necessidades de fortalecimento/alongamento muscular e aumento da segurança do paciente com paralisia cerebral atetóide. O objetivo do estudo foi o de verificar se a equoterapia aplicada ao indivíduo com paralisia cerebral atetóide pode melhorar o desempenho funcional e postural atuando assim no equilíbrio. Para o estudo contamos com um participante do sexo feminino, com 5 anos de idade, o qual foi submetido a 10 sessões de equoterapia, cada sessão com duração de 30 minutos e intervalo de sete dias entre elas, sendo aplicada a Berg Balance Scale pré e pós intervenção terapêutica. Nas avaliações foram encontrados os escores de 31 pontos na primeira e na segunda 33 pontos o que não gera um score significativo, mas podemos verificar uma manutenção do quadro mostrando assim que a equoterapia é eficaz no tratamento de paralisia cerebral atetóide, no sentido da manutenção do quadro apresentado no início do tratamento, visto que a manutenção em casos neurológicos são importantes e significativos.

Texto Completo: PDF

Revista Horus - ISSN: 1679-9267 - endereço eletrônico: horus@estacio.br